O Milagre da Ressurreição

ressurreição
Elder Saulo G. Franco
Elder Saulo G. Franco Setenta de Área, Espanha

Quando tinha 7 anos, vi a nossa família perder tragicamente o meu irmão mais novo, que tinha apenas seis anos.

Foi uma época muito difícil para os meus pais; a dor de perder um filho tão pequeno foi imensa e, talvez, muito injusta.

Em vez de culparem alguém ou alguma coisa, vi os meus pais procurarem consolo no evangelho e no Salvador.

Isso ajudou-os a desenvolver e a aumentar a fé em Cristo e a esperança de que um dia poderiam ver o seu amado filho novamente.

A fé e a esperança que desenvolveram ao longo dos anos, ajudou-os a suportar com coragem a perda do filho.

O templo foi uma das chaves para que alcançassem compreensão e força suficientes para lidar com essa difícil separação física.

Como tinham recebido as ordenanças sagradas do templo muitos anos antes, os convénios deram-lhes esperança de que, um dia, poderiam ressuscitar como pais e filhos.

Esta esperança que todos procuramos quando perdemos alguém que amamos, vem através da ressurreição do Salvador Jesus Cristo.

Graças a essa dádiva, temos esperança que um dia veremos novamente aqueles que partiram.

A ressurreição é uma das maiores dádivas que recebemos do nosso Pai Celestial.

Será que estamos cientes desta grande dádiva?

Será que realmente acreditamos que isto vai acontecer?

O Profeta Joseph Smith declarou:

“Os princípios fundamentais [da] nossa religião são o testemunho dos Apóstolos e Profetas a respeito de Jesus Cristo: que Ele morreu, foi sepultado, ressuscitou no terceiro dia e ascendeu ao céu; todas as outras coisas [da] nossa religião são meros apêndices disso”.1

Se não fosse pela ressurreição do Salvador, o plano de redenção não poderia ser executado, a expiação não teria completado o seu propósito e toda a raça humana estaria perdida e sem esperança.

O apóstolo Paulo ensinou aos coríntios:

“E se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé”.2

A ressurreição é uma das doutrinas principais da nossa religião e do cristianismo.

É essencial para alcançar a vida eterna.

Quando aumentamos a nossa fé em Cristo, o nosso testemunho e compreensão da ressurreição aumentam, a nossa esperança aumenta, e também aumenta a nossa capacidade de suportar as adversidades, os desafios da vida e todas as provações a que somos e estaremos sujeitos.

Graças à ressurreição, temos a esperança de que viveremos e nos encontraremos novamente, independentemente das imperfeições físicas que tivemos nesta vida.

A ressurreição é uma dádiva gratuita, é incondicional e aplica-se a todos os que viveram, aos que estão a viver e aos que ainda viverão.

O Salvador ensinou que há certeza duma vida depois desta.

Ele disse:

“Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá”.3

Num mundo tão confuso e incerto como aquele em que vivemos hoje, podemos ter esperança de que tudo será melhor.

Estou certo que tempos melhores virão e a ressurreição é a doutrina que nos traz esta esperança.

Se concentrarmos a nossa vida no Salvador, tudo fará sentido, mesmo que pareça perdido por um tempo.

Esta é uma das maiores bênçãos que o nosso Pai Celestial nos deu, que o Seu Filho morreu por nós para nos dar vida novamente.

Sei que um dia a minha família e eu nos encontraremos novamente com o meu irmão mais novo, que nesse momento já estará ressuscitado.

Também sei que, se formos fiéis, podemos estar juntos como famílias eternas.

Eu sei que Cristo ressuscitou e vive!

Eu sei pelo Espírito Santo que é verdade.

A dádiva da ressurreição não é apenas uma grande dádiva, mas é o amor que Deus tem por nós.

1 History of the Church (História da Igreja), 3:30; dum editorial publicado no Elders’ Journal, em julho de 1838, p. 44; Joseph Smith era o editor do jornal.

2 1 Coríntios 15:14

3 João 11:25