Os Homens Existem para que Tenham Alegria

Família feliz
Elder Tunnicliffe
Elder K. Roy Tunnicliffe Inglaterra, Setenta de Área

Se parafrasearmos a declaração “os homens existem para que tenham alegria”1, podíamos dizer que “o único propósito da nossa existência é alcançar a felicidade”.

E será mesmo?  Eu sinto-me feliz sempre que o meu clube de futebol marca o golo da vitória!  E senti-me feliz quando a minha candidatura a uma oferta de emprego foi aceite e sempre que fui de férias em família.  Serão esses sentimentos a razão de ser da nossa existência?

Não é bem assim.  Esses sentimentos de alegria são reais e importantes, mas, são apenas reflexos de uma alegria mais profunda e permanente que nos é dada pelo nosso Pai Celestial.  Nem todos os clubes de futebol marcam o golo da vitória.  Nem todas as candidaturas a ofertas de emprego são aceites.  E para alguns, nem sequer é possível desfrutar de férias em família.  No entanto, todos já tivemos momentos de felicidade!

 

O Presidente Russell M. Nelson ensinou: “A alegria que sentimos tem pouco que ver com as circunstâncias da nossa vida e tudo a ver com o foco da nossa vida”.2

Os professores da BYU, Kelly Ogden e Andrew Skinner, escreveram: “Segundo Néfi 2:25 nunca deve ser citado sem o versículo 26.  Eles estão inextricavelmente interligados como dois pilares no grande plano de salvação.  Sim, Adão caiu para que os homens existissem, mas, 'o Messias vem na plenitude dos tempos, para redimir da queda’.3 Por outras palavras, passamos por esta experiência terrena em virtude da queda de Adão e Eva; foi propositadamente projetado que assim fosse para que pudéssemos ter alegria; e essa alegria vem em virtude de um Pai Celestial amoroso e do Seu Filho Amado, Jesus Cristo.

O Pai está constantemente a direcionar-nos para o Seu Filho — e a alegria que advém de fazer de Jesus Cristo o foco da nossa vida é uma alegria real, profunda e permanente.  É a plenitude da alegria.

 

Os exemplos que se seguem são de pessoas que sentiram uma plenitude de alegria, mesmo ao passar por dificuldades, quando se focaram no Salvador.

 

Leí e Saria viram que a sua “alegria [era] completa” não só por causa do regresso em segurança dos seus filhos, como também por causa da certeza de estarem a receber orientação do Senhor através do Seu profeta.4

Amon disse: “minha alegria é completa, sim [o] meu coração transborda de alegria”5, por causa das muitas almas que ele viu a achegar-se a Jesus Cristo e a integrar o povo do Senhor.  Alma teve a mesma plenitude de alegria pelas mesmas razões.6

Néfi e Leí, apesar de estarem presos, “encheram-se daquela alegria que é inexplicável e gloriosa”,7 quando ouviram a voz do Pai a elogiá-los pela sua fé no Seu Filho amado filho.

E por fim, Jacó fala de todos os fiéis seguidores de Jesus Cristo, do Seu povo do convénio e da alegria que os espera à medida que vivem o evangelho, apesar das dificuldades, contratempos, oposição e provações.  Ele ensinou: “Mas eis que os justos, os santos do Santo de Israel, os que tiverem acreditado no Santo de Israel, os que tiverem suportado as cruzes do mundo e desprezado a sua vergonha, herdarão o reino de Deus, que foi preparado para eles desde a fundação do mundo; e sua alegria será completa para sempre”.8

 

Testifico que o verdadeiro propósito da nossa existência pode ser alcançado e que todos nós podemos receber a plenitude de alegria à medida que “escolhermos o Pai Celestial como o nosso Deus”9, focarmos a nossa vida em Jesus Cristo, convidarmos outros a aprender Dele, ouvirmos a Sua voz, nos arrependermos dos nossos pecados e prosseguirmos em frente no caminho do convénio.

 

Notas de Rodapé:

  1. 2 Néfi 2:25
  2. Alegria e Sobrevivência Espiritual, Presidente Russell M. Nelson, Conferência Geral de Outubro de 2016
  3. Ogden e Skinner, O Livro de Mórmon, 1:122-23
  4. 1 Néfi 5:7
  5. Alma 26:11 (ver também os versículos 7, 12-31)
  6. Alma 29:13-17
  7. Helamã 5:44
  8. 2 Néfi 9:18
  9. Alegria e Sobrevivência Espiritual, Presidente Russell M. Nelson, Conferência Geral de Outubro de 2016